logotype

Apoiam

Academia Galega da Língua Portuguesa

Agrupação Cultural O Facho

Associação de Amizade Galiza-Portugal

Associação Civil de Amigos do Idioma Galego

Associação Docentes de Português na Galiza

Associação de Escritores em Língua Galega

Associação Galega da Língua

Associação Galega de Mães e Pais

Centro Social A Esmorga

Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia

Fundação Artábria

Fundação Galiza Sempre

Fundação Meendinho

Fundação Via Galego

Instituto Cultural Brasil-Galiza

Instituto Galego de Estudos Célticos

Instituto Galego de Estudos Internacionais e da Paz

A Mesa pela Normalização Linguística

Movimento Defesa da Língua

Nova Escola Galega

Sociedade de Geografia de Lisboa

Universidade Aberta

Viveiro e Observatório das Galescolas

 

Ato de Homenagem, 17 de maio de 2011 PDF Print E-mail
Monday, 09 May 2011 00:00

O vindouro dia 17 de maio, Dia das Letras Galegas, às 11:30 em Compostela, diante do monumento a Ricardo Carvalho Calero, terão lugar os atos comemorativos neste dia de celebração em torno da nossa língua. O monumento está situado  na rua lateral de entrada à Alameda de Compostela (entre a Alameda e a Rua Carreira do Conde).

Neste sinalado dia terá lugar a merecida homenagem ao nosso professor galego de mais prestígio internacional, autor duma viçosa obra devotada à nossa comum cultura galego-portuguesa, para a qual viveu e pela que padeceu até morrer no exílio, consequente com as suas ideias e firmes ideais, sem por isso se iportar com ser sermpre proscrito na sua pátria, e até maldito pelos que nela detêm ainda o poder.

A seguir, terá lugar uma leitura de poemas, seguida da lelitura de um manifesto à sociedade galega sobre a necessidade de apanhar o caminho certo para afrentarmos com êxito os nossos problemas linguísticos e culturais. Encerrado o ato, realizará-se um roteiro de língua e história pelas ruas de Compostela, guiado pelo Doutor André Penha Granha de participação livre e duração aproximada de uma hora.

 

Homenagem Guerra da Cal

 
Lançamento do Site e Antologia Poética de Guerra da Cal PDF Print E-mail
Thursday, 28 April 2011 11:11

Chegado o ano do centenário de Ernesto Guerra da Cal, já não é para ninguém surpresa que na sua pátria continue a ser ignorado, quando não vilipendiado e maldito, o nosso poeta, por se ter atrevido, desde o exílio, a dizer as verdades palmares sobre o português da Galiza (e antes ter combatido o fascismo espanhol com as armas na mão).

Antologia Guerra da CalO mais graúdo da mocidade galega sim lhe ofereceu homenagens, e realizou congressos na sua honra, nomeadamente a Associaçom Galega da Língua e as Irmandades da Fala, e editaram parte da sua obra poética, pondo em destaque os seus seminais poemários Lua de além-mar e Rio de sonho e tempo. Mas faltava uma antologia manual, que recolhesse o mais repres entativo da sua criação. É esta uma tarefa sempre ingrata, mas necessária, que hoje recaiu na Academia Galega da Língua Portuguesa, entidade prevista e desejada por ele (como também pelos seus colegas Ricardo Carvalho Calero e Manuel Rodrigues Lapa).

A sua poesia foi saudada como “metafísica” pelos seus primeiros críticos, e é justo que este pendor fique refletido nesta escolha. Mas esta poesia dacaliana é arquitetada, como que feita pelas mãos do artesão que ele era, pois ao longo da sua vida construiu com palavras e com cantaria, criou com versos e com carpintaria, forjou com erudição e com ourivesaria: como testemunham as suas obras impressas e as suas obras pronunciadas, debuxadas, talhadas, armadas; os móveis e as casas que construiu nos seus exílios de três países e dous continentes; e como testemunham também o poeta anglófono D. C. Warnest (autor de Homage to Federico Garcia Lorca on the 30th Anniversary of his Death e de A Tragic Celtic Rose, dedicado a Rosalia) e o ilustrador gráfico Raguer Caldas (das capas de poemários seus), além doutros heterónimos seus: Nestore D’Alguecarra, Rad Calaguer, Ernst Krieg von Kalk, Ernest Limewar...

Este aspecto, digamos lúdico, da sua poesia, também fica refletido na antologia, bem como o seu veio erótico. Muito mais se poderia ter incluído, mas impossível dentro do número de páginas imposto pelas características de uma pequena edição de bolso. Fique esta como primícia antológica doutras edições futuras da sua obra (e não só poética) na Terra onde nasceu. O seu pecado foi o de Prometeu. E também a sua glória.

***

Significativamente, esta Breve Antologia Poética, como reza o subtítulo da obra, foi apresentada em 25 de abril de 2011 junto com o site comemorativo do centenário do nascimento de Ernesto Guerra da Cal (http://guerradacal.academiagalega.org). Trata-se apenas de um prelúdio da merecida homenagem que o saudoso professor receberá na Galiza e no resto da Lusofonia da mão de mais de 20 entidades científicas, educativas e culturais.